Av. Vieira Souto, 176 Ipanema

Rio de Janeiro 

RJ

Cel: 22.420-004

Tel: 55 21 23322090

ccla@funarj.rj.gov.br

© 2018 Susanna Kruger

  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle
Histórias da Casa de Laura
Sobre as pedras

Um antigo porteiro da Casa, que foi acolhido por Laura ainda menino, contou que ela adorava pedras e que escolheu o lugar de cada uma para formar o piso do chão de seu espaço cultural.

Hoje, as pedras de Laura permanecem como moldura de um chão que viabiliza a acessibilidade de todos

Casamento

"Uma coisa que se diz muito é que ela teve não sei quantos pedidos de casamento, é verdade. Ela inspirava muitas paixões. Teve ao longo da vida três ligações amorosas sérias duráveis, mas assim mesmo sem pensar em casar. Ela achava que não se submeteria, não se sujeitaria à rotina de uma vida doméstica. "

A república doCeará

Contaram para Laura que numa praça em Hidrolândia, uma pequena cidade no interior do Ceará, colocaram uma placa na qual se lia: “Chegando no Rio de Janeiro, procure a casa de Laura, em Ipanema”! Ela dava abrigo a todos que batiam em sua porta.

Rubens Correia

Laura assistia a todas as peças que Rubens Correia fazia e tinha decidido que ele seria o diretor de seu teatro. Até o dia que foi ver "O arquiteto e o imperador da Assíria" - peça na qual os personagens falavam alguns palavrões. Rubens estranhou que Laura não tinha ido ao camarim como costumava fazer quando ia assisti-lo. Foi procura-la e a encontrou sentada na plateia - ainda não tinha se levantado desde o final da peça. Ele perguntou o que tinha achado do espetáculo e Laura respondeu de forma solene: "Rubens, você para mim, morreu"!

A verdadeira garota de Ipanema

Laura costumava dizer que ela é que era a verdadeira garota de Ipanema, afinal quando lá chegou para morar - na primeira década do século XX - tudo era apenas um grande areal.

O por do sol na varanda

Laura gostava de ver o por do sol na varanda da casa. Mas a medida que as casas da Vieira Souto foram sendo demolidas e em seus lugares foram construídos prédios que avançavam cada vez mais na direção da rua, Laura não conseguia mais ver o por do sol. "Oitenta anos vendo o por do sol!" Não teve dúvida: quebrou as paredes, mudou o prumo do telhado e avançou com uma varanda sem vigas laterais.

Seu por do sol continuava lá!

Este espaço espera uma nova história sobre a Casa de Laura!
envie uma história
Este espaço espera uma nova história sobre a Casa de Laura!

envie uma história

Este espaço espera uma nova história sobre a Casa de Laura!

envie uma história

 
 
 
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now